Palavras finais na Celebração do Crisma

Padre Mário Rui

Senhor Patriarca permita que em nome dos que acabaram de ser crismados,  dos seus padrinhos e familiares, e da comunidade cristã lhe manifeste a enorme alegria de o ter de novo connosco  nesta sua Paróquia de São Nicolau.

No encerramento do congresso da Pastoral Social da Diocese o Senhor Patriarca citando a primeira encíclica do Papa Francisco,  traçava o retrato do quadro cultural em que nos movemos: «uma cultura inédita palpita e está em elaboração na cidade (…)Isto requer imaginar espaços de oração e de comunhão com caraterísticas inovadoras, mais atraentes e significativas para as populações” para sublinhar que os “espaços de oração e de comunhão andam ligados, relacionando-nos com Deus, e com os outros a partir de Deus”.

A acção pastoral de São Nicolau e Santa Maria Madalena, orienta-se pela indicação que aí certeiramente traçou: estar de braços erguidos em oração para Deus e de braços estendidos para os irmãos.

Centrada no essencial, na celebração da Santa Missa, adoração permanente do Santíssimo Sacramento, celebração do perdão de Deus, meditação da sua Palavra, aprofundamento da vida de oração pessoal e comunitária,  a Paróquia alimenta-se destes fecundos canais de “água viva” que a irrigam da Graça de Deus.

Igreja de portas abertas, em acolhimento e saída, valorizando a formação, preparação para os sacramentos, atendimento pessoal, direcção espiritual, acompanhamento das vocações, acentuando a presença no ambiente digital pelas transmissões da Missa, tempos de oração e meios de formação, e investindo no site,  podcasts e newsletter (enviada em ritmo semanal a mais de 1000 pessoas), a Paróquia animada pela esperança cristã, vive este tempo, no coração da cidade, como um desafio permanente à nova Evangelização.

Mobilizada no exercício da caridade, na distribuição dos 130 almoços e dos 240 jantares diários; nos 150 cabazes de alimentos semanais e mensais; na entrega de 200 cartões pingo-doce, em ritmo mensal; na distribuição de vestuário, de outra roupa e calçado, duas vezes por semana; no auxílio a necessidades básicas de várias famílias; no acompanhamento dos idosos, em situação de isolamento; no acolhimento de quem nos bate à porta em situação de dificuldade, a Paróquia expressa também o seu amor a Deus, no amor aos irmãos, em gestos de partilha e de ajuda junto dos que se encontram em maior necessidade. Somos gratos a Deus por tantos Benfeitores que são as mãos escondidas por detrás dos gestos de caridade. Somos gratos a Deus pelos voluntários da caridade, desde as Irmandades às Irmãs Missionárias do Espírito Santo passando pela discreta mas notável presença dos mais de 150 voluntários que são as mãos estendidas e os rostos visíveis dos gestos de caridade.

Hoje, porém, os nossos braços – os braços de toda a Paróquia – erguem-se para Deus para Lhe manifestar a nossa gratidão por cada um de vós, caríssimos crismados, que hoje recebestes o dom do Espírito Santo.

A vós, que percorrestes, em meio digital, acompanhados pelo Pe. Hugo, um belíssimo percurso formativo que vos conduziu a este momento de Graça, quero fazer um convite e um desafio:  

– reavivai no arco inteiro da vossa vida aquilo que já sois: templos do Espírito Santo, pedras vivas da Igreja e testemunhas qualificadas de Cristo no mundo.

– entregai aqui e agora, diante de Deus, o vosso propósito, de serem, comos discípulos do Senhor,  protagonistas na Missão da Sua Igreja.

No íntimo dos vossos corações e de braços erguidos para o céu, ousai dizer a Deus: “Eis-me aqui, Senhor, para fazer a Tua vontade”.

Profundamente gratos a Deus, pelo Seu amor para connosco,  abramos a alma e a vida, para acolher a bênção do nosso amado Bispo, o Senhor Cardeal-Patriarca.